SMART CITY LAGUNA É DESTAQUE NO DIÁRIO DO COMÉRCIO DE MG - Smart City Laguna
Related content
3/01/2019 SMART CITY LAGUNA É DESTAQUE NO DIÁRIO DO COMÉRCIO DE MG

O respeitado Diário do Comércio, único jornal especializado em Economia, Gestão e Negócios de Minas Gerais, destacou em uma ampla reportagem a Smart City Laguna, um projeto inovador do Grupo PLANET. Confira abaixo na íntegra:

PLANET aposta em modelo inovador

Uma nova proposta de moradia deve chegar em breve a Minas Gerais por meio do Grupo Planet, empresa britânica de construção civil que está expandido sua atuação no Brasil. Com um conceito inovador de “cidades inteligentes e sociais”, já iniciou a construção de dois primeiros bairros no Ceará e no Rio Grande do Norte. A expectativa é chegar a 10 empreendimentos em todo o País, sendo Minas Gerais um dos territórios de interesse.

A CEO do Grupo Planet no Brasil, Susanna Marchionni, explica que o interesse da empresa no Brasil está ligado ao potencial de desenvolvimento econômico do País e, ao mesmo tempo, ao seu alto índice de déficit habitacional. Ela destaca que o objetivo da empresa é desenvolver bairros inteligentes e acessíveis para as diferentes classes sociais, principalmente porque o déficit habitacional atinge a população de renda mais baixa.

“Quando se fala em projetos de smart city o que vemos são projetos para pessoas de alta renda. Nossa proposta é diferente: propomos cidades inteligentes ao alcance de todos e, para isso, trabalhamos com projetos de grande escala e um centro de pesquisa que aponta as possibilidades de economia na obra”, explica. A estratégia é refletida no preço dos lotes e casas comercializados pelo grupo. Para se ter ideia, um lote padrão de 150 metros custa R$ 30 mil e o valor de uma casa de 45 metros R$ 97 mil. “São custos muito baixos: é por isso que a gente vai mudar a forma de morar no Brasil”, diz.

A CEO explica que o mesmo potencial enxergado no Brasil é percebido em Minas Gerais. Segundo ela, assim como no País, Minas Gerais tem uma economia forte, mas um grande número de pessoas sem moradia. “Ainda não dá pra dizer quando a Planet chegará ao Estado, mas ele está no foco da empresa”, garante.

Até o momento, o grupo iniciou a construção e o planejamento de dois empreendimentos, sendo o primeiro em São Gonçalo do Amarante, no Ceará. A obra teve um investimento de US$ 50 milhões e consiste em uma área de 330 hectares para até 25 mil moradores. De acordo com a CEO, cerca de 90 hectares já foram entregues aos clientes, que começarão a se mudar para o bairro a partir do início do ano que vem. Um segundo empreendimento também está sendo planejado em Natal em uma área de 170 hectares para 15 mil moradores. A obra será iniciada no início do ano que vem e terá cerca de US$ 25 milhões de investimento.

A meta do grupo é inaugurar outros três empreendimentos nos próximos cinco anos e chegar a 10 em todo o Brasil. Susanna Marchionni explica que os empreendimentos do Grupo Planet são baseados em quatro pilares, sendo o primeiro deles “arquitetura e urbanismo”, que propõe a concentração dos diferentes destinos em um único lugar, além de vias e acessos com espaço para todos os meios de transporte. O segundo pilar é “meio ambiente”, que considera uma construção limpa e exclui o asfalto, substituindo-o pelo piso intertravado, que barateia a manutenção e diminui a temperatura do ambiente.

O pilar da tecnologia é um dos mais importantes e inclui ferramentas como um painel de controle da cidade para que os moradores tenham conhecimento de tudo o que acontece, como eventos e horário de funcionamento da biblioteca. O quarto pilar é o de inclusão social e está ligado à abertura do bairro à população que não mora no empreendimento, mas tem desejo de utilizar parques e outras atrações gratuitas.

Fonte: Diário do Comércio