Movimento acelerado no Porto do Pecém - Smart City Laguna
Related content
3/05/2018 Movimento acelerado no Porto do Pecém

Inaugurado em 2012, o Porto do Pecém movimentou o volume recorde de 15,8 milhões de toneladas no ano passado, 41% acima do registrado em 2016, ante um aumento médio de 8,3% dos portos brasileiros. O faturamento cresceu 62%, chegando a R$ 144 milhões. Para 2018, a expectativa é de 10%, segundo Danilo Serpa (foto), presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém S/A (Cipp S/A), responsável pela administração do terminal. Sua capacidade atual de movimentação é de até 28 milhões de toneladas por ano.

O principal produto exportado no ano passado exportado foram placas de aços produzidas pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), um total de 2,6 milhões de unidades para mais de 20 países. O principal destino foram os Estados Unidos, responsáveis por 34% do total embarcado pela CSP. Pelo Porto do Pecém foram exportados também frutas (201 mil toneladas), gás natural (121,5 mil toneladas), água de coco (42 mil toneladas), granito (18,3 mil toneladas) e calçados (14,2 mil toneladas).

Entre os principais produtos importados estão carvão mineral (4,9 milhões de toneladas), bobinas de aço (207 mil toneladas), pedras calcárias (55 mil toneladas) e coque de petróleo (50 mil toneladas), além de gás natural (714,7 mil toneladas), para ser processado no navio regaseificador da Petrobras que fica ancorado no porto.

“O Porto do Pecém tem apenas 16 anos e, se comparamos a estrutura que temos hoje com a que era inicialmente, demos um salto significativo, dobrando de tamanho”, diz Serpa. As obras de sua segunda expansão estão em fase final, incluindo três novos berços, dois dos quais já foram concluídos e uma nova ponte de acesso. O investimento dessa segunda ampliação soma R$ 1 bilhão, em obras e equipamentos, com recursos do Tesouro Estadual e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Primeiro porto off shore do país, instalado a 3km da costa, o Pecém dispensa gastos com dragagem, porque o próprio movimento das correntes marítimas impede o acúmulo de areia no fundo do mar. Sua profundidade também permite a operação de navios de maior porte e o transporte de cargas mais pesadas.

Um dos principais investimentos feitos pelo porto nos últimos anos, no valor de R$ 212 milhões, foi o descarregador de ferro de correia transportadora, com capacidade para movimentar até 2,4 mil toneladas de material por hora. Inaugurado em 2016, o equipamento destina-se a atender à demanda da CSP, hoje responsável pela maior parte do movimento no Pecém.

Espera-se também para este ano a conclusão das negociações entre o Governo do Ceará e a Porto of Rotterdam International, para a participação da companhia holandesa na gestão do Porto do Pecém. Com a parceria, Pecém deverá dobrar sua capacidade de cargas em dez anos, tornando-se uma das principais portas de entrada e saída de produtos no Nordeste.

Fonte: Valor Econômico – Estados.