Luxo, sustentabilidade e tecnologia: a era das cidades inteligentes - Smart City Laguna
Empty
6/09/2017 Luxo, sustentabilidade e tecnologia: a era das cidades inteligentes

A evolução da tecnologia social deixa o luxo e funcionalidade ao alcance de todas as classes

Victor Megido

Com a globalização e mudanças constantes de fluxo de informações, modernidade e novidades, torna-se cada vez mais comum o acesso de grande parte da população a objetos considerados de elevado escalão ou direcionados à alta sociedade. O ciclo universal de mudanças de mercado e consumo se renova a cada dia, tornando o luxo uma conquista de muitos.

De acordo com estudo realizado pelo Instituto Europeu de Design –Istituto Europeo di Design (IED Brasil), liderado por Victor Megido – hoje, o conceito de “luxo” é capaz de se enquadrar não apenas como qualidade de objetos materiais, mas também de elementos espalhados por toda uma cidade e sua urbanização. O luxo é diretamente ligado conceitos de design, funcionalidade e exuberância, e estas características, por sua vez, podem ser adaptadas para diversas vertentes. Tendo como exemplo o crescimento dos municípios, o requinte veio a se tornar elemento fixo na cidade, viabilizando o acesso a ele e às suas qualidades. O aumento de acesso ao consumo de design e luxo por camadas cada vez maiores da população tornou-o comum.

A união destes fatores com a tecnologia facilita a convivência e integração dos cidadãos do novo milênio. Ela se adapta às necessidades do homem, ao imediatismo e hábitos de consumo dos tempos atuais e é, inclusive, capaz de trazer a países subdesenvolvidos novas realidades. Este fator abre espaço para chegadas de inovações sociais igualitárias, como o projeto Minha Casa, Minha Vida e outras iniciativas residenciais.

A habitação popular traz, em estrutura e idealização, a ideia do “luxo da moradia” ao alcance de todos. Com o aumento do número de membros das famílias, mudanças e avanços no mercado de trabalho, os projetos habitacionais oferecem planos e vantagens especiais para quem os procura. Na mesma linha, segue o trabalho da Planet Smart City na cidade de Croatá, em São Gonçalo do Amarante.

 

Cidades inteligentes e planejadas

 

O investimento que une sustentabilidade, qualidade de vida e tecnologia é a primeira cidade inteligente do mundo. Econômica em quesitos de aquisição e funcionamento, a região é planejada para integrar 25.000 habitantes em lotes de terra igualitários, onde todos possuem o mesmo acesso ao luxo. A prioridade é a inclusão. A área, de fácil acesso, é próxima ao Porto do Pecém, ZPE e Companhia Siderúrgica do Pecém e visa fundir comércio, indústria e, acima de tudo, evolução. Contrariando a segregação social existente, a Smart City Laguna não se trata de um condomínio fechado. Pelo contrário, os serviços e funcionalidades estarão disponíveis de forma ampla tanto para a cidade como para regiões próximas, atendendo às necessidades da população.