Células fotovoltaicas em vestimentas estão próximas da realidade - Smart City Laguna
Related content
7/02/2019 Células fotovoltaicas em vestimentas estão próximas da realidade

Células fotovoltaicas vestíveis têm sido o sonho de muitas pessoas. Afinal de contas, pode ser muito útil ter uma forma livre de energia infinitamente renovável costurada em suas roupas para carregar seus dispositivos em qualquer lugar. O problema é que as células solares baseadas em silício tendem a ser bastante frágeis, o que as torna impraticáveis como materiais vestíveis.

Mas agora os pesquisadores da Universidade Rice, no Texas (EUA), dizem que conseguiram encontrar uma maneira de melhorar a estabilidade mecânica das camadas ativas das células vestíveis. Eles o fizeram através da incorporação de uma rede elástica interna, que não depende de silicone inorgânico, mas de polímeros flexíveis à base de carbono orgânico.

Seu dispositivo pode capturar a luz solar e convertê-la em correntes elétricas. Melhor ainda: os materiais orgânicos são finos, leves e semitransparentes. Eles também podem ser fabricados de forma barata. No lado negativo, sua eficiência na conversão de luz solar em eletricidade está em torno de 15%, em oposição aos 22% de células solares baseadas em silício.

No entanto, essa flexibilidade extra nos materiais vale a perda de eficiência. “O campo está obcecado com o gráfico de eficiência há muito tempo”, explica Rafael Verduzco, engenheiro químico e bioquímico da universidade americana. “Houve um aumento na eficiência desses dispositivos, mas as propriedades mecânicas também são muito importantes, e essa parte foi negligenciada.”

E se as células solares forem práticas como geradores de eletricidade usáveis, é melhor que sejam flexíveis. “Se você esticar ou dobrar as coisas, terá rachaduras na camada ativa e o dispositivo falhará”, acrescenta Verduzco. “Nossa ideia era ficar com os materiais que foram cuidadosamente desenvolvidos ao longo de 20 anos e que sabemos o trabalho, e encontrar uma maneira de melhorar suas propriedades mecânicas.”