Brasil poderá ser primeiro país da América Latina a implantar tecnologia 5G - Smart City Laguna
Related content
19/08/2019

Brasil poderá ser primeiro país da América Latina a implantar tecnologia 5G

A Nokia espera que o Brasil sedie o maior leilão de tecnologia 5G do mundo no próximo ano. A afirmação é do diretor de tecnologia da Nokia na América Latina, Wilson Cardoso.

Segundo ele, isso fará com que o país seja o primeiro da América Latina a implantar a tecnologia. “Acho plausível dizer que o grande presente de Natal no Brasil no próximo ano provavelmente será um smartphone 5G”, afirma o executivo.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ainda está definindo as regras para o leilão. Em jogo estão as frequências de 2,3 GHz e 3,5 GHz, alocadas em maio pela Anatel, e outras bandas, como 26 GHz e 700 MHz, para comunicações de baixa latência para uso industrial, ainda a serem adicionadas.

Se todos as quatro forem leiloadas juntas, acrescentou Cardoso, será o maior leilão de tecnologia 5G do mundo. “As joias da coroa são certamente os blocos em 26 GHz e 700 MHz, mas quanto mais frequências disponíveis, menor deve ser a especulação de preço, explicou.

Leia também: Como o Big Data irá impulsionar a inovação nas cidades inteligentes

A Nokia começou a testar a tecnologia 5G no Brasil em fevereiro de 2018 com a TIM. Cardoso disse que a empresa finlandesa também realizou testes com outras operadoras, mas não revelou quais. De acordo com ele, os projetos são confidenciais.

O grande número de conexões simultâneas do 5G resolverá o problema de antenas ocupadas. As antenas atuais têm um limite baixo da quantidade de usuários que conseguem conectar-se em determinado local. Por isso, em grandes eventos, como shows e partidas de futebol, o sinal do celular costuma ficar muito precário.

Previsto para acontecer em março de 2020, o leilão deverá movimentar R$ 20 bilhões. Devido as obrigações de investimentos impostas às empresas, como cobertura em áreas mais afastadas, a arrecadação poderá ser menor.

Porém, se tudo der certo, a nova frequência estará disponível nas capitais a partir de 2021 e em 3 anos em lugares mais distantes dos grandes centros urbanos.

Com informações da Reuters